Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

miss pavlova: o melhor brunch do ano fica no porto e é de perder a cabeça!

brunchedit.jpg

Antes de qualquer outra coisa, tenho de fazer as apresentações: leitores do Casal Mistério, esta é a Miss Pavlova; Miss Pavlova, estes são os leitores do Casal Mistério. Não se assuste que não estou a apresentá-lo à dona de uma casa de poucas virtudes. Estou a apresentá-lo à dona de um brunch. Um brunch de panquecas, ovos, bruschettas de abacate, taças de smoothies, iogurtes, croissants, brownies e, claro, pavlovas, aquele bolo divinal com base de merengue crocante e recheios acabadinhos de chegar do paraíso, como um chocolate derretido a escorrer, uma mousse de Oreo aveludada ou um chantilly de sonho.

 

jantares com amigos: quais os melhores restaurantes em lisboa e porto

1.jpg

Entrámos naquela perigosa época dos jantares de Natal. Aquela época em qua as dietas se eclipsam da nossa vida à mesma velocidade a que as filhoses desaparecem da mesa da Consoada. Aquela época em que temos de celebrar com os amigos, com os actuais colegas do trabalho, com os ex-colegas da escola, com os futuros colegas do ginásio e até com aquele grupo que conhecemos na praia, no Verão de 1987.

É verdade, de agora até ao dia 24, a nossa vida está transformada na agenda do Marcelo Rebelo de Sousa – não há dia sem programa. E por isso foi com um enorme sorriso que recebemos o desafio do Novo Banco: eleger os melhores restaurantes para ir jantar fora com os amigos. Em grupo, em grupeta ou em multidão. Restaurantes animados, divertidos e com mesas grandes, onde possamos estar todos à vontade sem os olhares reprovadores do casal romântico do lado a cada gargalhada estridente da minha querida Mulher Mistério.

Estes são os nossos quatro restaurantes preferidos para jantar em grupo.

 

 

vinho branco quase morno e bombas de empadão: a desilusão do tapisco, o novo restaurante de henrique sá pessoa

20376163_338802519894850_7648822024218547082_n.jpg

– Desculpe, o vinho branco não está muito fresco.

– Pois, aqui é normal. O nosso frio não funciona muito bem.

Estamos em Lisboa, numa noite com cerca de 30º C, no novo restaurante do chef Henrique Sá Pessoa, e o vinho branco veio quase à temperatura de um banho nas termas. Podia ser por acharem que aquele vinho devia ser servido à temperatura de um vinho tinto. Podia ser por mania ou por inovação. Mas não. No Tapisco, pelos vistos, é "normal" "o frio" não funcionar muito bem.

 

 

os 32 minutos de espera para trazerem a ementa do chef ljubomir stanisic no sublime comporta

18057068_975361382599594_5909737731060378394_n.jpg

Antes de qualquer outra coisa, tenho de fazer uma declaração de interesses: estou a escrever este texto com o mesmo nível de stress que o pai do Marty McFly sentia cada vez que se aproximava do Biff, no filme Regresso ao Futuro. Não é que o chef Ljubomir Stanisic costume bater na cabeça das pessoas a perguntar se está "Anybody home", mas convenhamos que escrever sobre um restaurante supervisionado por alguém que aparece no jornal Expresso a destruir uma mesa de jantar com um martelo para demolir paredes é tudo menos tranquilizador. Especialmente se tivemos de esperar mais de meia-hora para que nos trouxessem a ementa das sobremesas. Mas já lá vamos. Antes, é preciso falar da decoração deste hotel na Comporta, perto de Grândola.

 

 

aquele lugar que não existe, o restaurante mais secreto e misterioso de lisboa

Não existe no Facebook, não existe no Instagram, não existe no Zomato e mesmo na rua só existe se for com muita atenção, porque não há qualquer placa à porta a identificar o local. Chama-se Aquele Lugar Que Não Existe, abriu no ano passado e os donos querem mantê-lo assim: discreto, misterioso, quase familiar – frequentado apenas por amigos, conhecidos e pessoas próximas a quem for passada a palavra.

Nós fomos lá parar por acaso, depois de termos ouvido falar deste espaço em Marvila, que para mim é um dos bairros mais criativos e surpreendentes de Lisboa. 

20170707_154847.jpg

 

novidade! novidade! o vila joya abriu um restaurante de praia com mini hambúrgueres a €11

19884167_359913301093126_3980533675803764181_n.jpg

Estou em transe com esta novidade! Acabou de abrir um restaurante que foi feito a pensar em mim. Aliás, se eu abrisse um restaurante seria exatamente assim: lindo, em cima do mar e com uma ementa de luxo. Mas como só tenho jeito para comer e não para cozinhar, vou massacrar tanto, mas tanto, o meu querido Marido Mistério que vou conseguir convencê-lo a abrir os cordões à bolsa e irmos ao Vila Joya Sea.

19601421_357259801358476_2823868304836332473_n.jpg

 

 

esqueça tudo o que já viu até aqui: a noélia é um restaurante do outro mundo e fica no algarve

20170527_213653.jpg

Está com fome? Antes de qualquer outra coisa, é melhor ter fome porque hoje não lhe vou falar de comida – vou falar-lhe de muita comida. E de óptima comida. Este restaurante é uma das maiores preciosidades do Algarve. Chama-se Noélia & Jerónimo (ou só Noélia, para os mais íntimos), fica em Cabanas de Tavira e é lá que come alguns dos mais fabulosos, originais e criativos petiscos de peixe e marisco.

Os ingredientes são fresquíssimos, muitos deles vindos directamente da Ria Formosa, mesmo à frente da esplanada. E todos são tratados com um toque de originalidade que consegue juntar a tradição a que estamos habituados com a surpresa mais inesperada. 

 

 

é bar, é restaurante, está na moda e é um dos sítios mais espectaculares de lisboa

Captura de ecrã 2017-06-21, às 14.59.55.png

Tem música alta, tem mesa de DJ, tem clientes que passaram mais tempo no cabeleireiro do que a dormir na noite anterior e, se ainda tem dúvidas de que estamos no último sítio da moda em Lisboa, então tome atenção ao aviso colocado à porta de cada casa-de-banho individual: "1 only".

Chama-se JNcQUOI e abriu no final de Abril, no edifício do Teatro Tivoli, em Lisboa. Mas, em menos de dois meses, já se transformou no local mais in da noite. E do dia também. No andar de cima, fica o restaurante, mais caro e formal (pelo menos cerca de €50 por pessoa), onde encontra a taxa de políticos e empresários por metro quadrado mais elevada da capital. Aí tem um ambiente que mistura a arquitectura clássica do teatro com alguns detalhes modernos, como um esqueleto gigante de dinossauro no meio da sala.

No andar de baixo, fica o DeliBar, ligeiramente menos caro e bastante mais descontraído, que é uma mistura de bar e balcão de petiscos sofisticados. Pelo meio, o JNcQUOI ainda tem uma mercearia gourmet (tudo o que come no DeliBar pode comprar para levar para casa), a loja masculina da marca de roupa Fashion Clinic, um cantinho onde se vendem os bolos e macarons da famosa Ladurée e uma mini-livraria com os livros da Assouline, a mais importante editora de luxo do mundo. 

 

 

depois da polémica sobre o nome, vamos ao que realmente interessa: come-se bem no café colonial?

15025351_1749519361976206_2560313783368089226_o.jp

Não sei exactamente o que é que pode levar alguém lúcido a chamar Café Colonial a um restaurante em pleno século XXI. Mas também não perco mais de 20 segundos a pensar se o proprietário do restaurante tem uma colecção de chapéus do Mouzinho de Albuquerque em casa.

O nome é infeliz? É. Mas não é por causa de um nome infeliz que depreendo que o proprietário gostaria mesmo era de estar a beber um gin tónico, na baía de Luanda, enquanto era abanado por meia dúzia de indígenas com folhas de bananeira nas mãos. Tal como não depreendo pelo nome que os donos da Casa das Ratas são feministas convictos. Ou que os sócios do Querido, o Jantar Está Pronto são perigosos machistas que defendem que as mulheres nunca deviam ter saído da cozinha. Também não acredito que a tasca Larga a Velha nasceu para perseguir a terceira idade. Ou que o Restaurante do Alívio é um urinol público. 

 

 

fomos jantar ao melhor restaurante do porto segundo as redes sociais

Terminal-4450-A-Cidade-na-ponta-dos-dedos-de-Sanch

Ter 4,9 valores no Zomato está hoje para um restaurante quase ao mesmo nivel do que ter o Salvador Sobral no Festival da Canção. E o Terminal 4450, em Leça da Palmeira, consegue isso e mais algumas coisas: a avaliação é a mais alta de todo o Porto naquela rede social e foi atingida através de uns significativos 516 votos e não através da boa vontade da família dos donos. Se isto não chega para lhe despertar o apetite, fique a saber que aos 4,9 valores do Zomato se juntam uns pomposos 4,7 valores dados pelos clientes no Facebook e uns honrosos 4,5 no TripAdvisor.

É claro que, perante tanta agitação, nós não podíamos ficar quietos no nosso cantinho. E, por isso, organizámos uma excursão mistério para levar a família em peso até ao restaurante mais popular do Porto. Não foi uma, não foram duas, foram seis esfomeadas almas atentas a todo e qualquer detalhe deste verdadeiro fenómeno da restauração cibernética.

 

 

um almoço saudável em lisboa: os deliciosos e viciantes pokes do sea by local, no palácio chiado

O Palácio Chiado, na rua do Alecrim, abriu há um ano e o conceito mantém-se com alguns ajustes e pequenas alterações. Uns restaurantes abandonaram o espaço como a Espumantaria, no andar de cima, e o Páteo do Palácio, no piso de baixo, mas multiplicaram-se as mesas e as cadeiras (com costas, graças a Deus, porque a idade já não perdoa) e o serviço melhorou consideravelmente. 

16832061_1287903677962425_9134374114287936877_n.jp

 

a nossa aventura no beco cabaret gourmet, o restaurante mais surpreendente de josé avillez

Beco2_CreditoBrunoCalado.jpg

À minha esquerda um grupo de quatro homens comenta e ri-se com o nervoso miudinho típico de quem acha que acabou de entrar no Elefante Branco dos restaurantes Michelin; à minha direita, um grupo de casais cinquentões, de camisa branca e blazer azul escuro, fala espalhafatosamente como se tivesse acabado de sair directamente do T-Clube, em 1992; à minha frente, um homem totalmente careca, de fato escuro e barba hipster, olha para toda a gente com um ar sério e impenetrável – é o anfitrião do Beco Cabaret Gourmet, o novíssimo restaurante de José Avillez.

Na verdade, o Beco não é bem um restaurante. É um espectáculo de música e dança com um óptimo jantar a acompanhar. Por isso, se espera vir para aqui conversar calmamente, num tête-à-tête romântico, o melhor é cancelar já a reserva e tentar poupar os €260 do jantar duplo sem bebidas incluídas.

O Beco não é barato, o que significa que convém perceber muito bem o que isto é, antes de se atirar para esta experiência de cabeça fresca e carteira cheia.

 

 

quer uma surpresa original para o dia do pai? 5 brunches espetaculares para ir em família (entre €6 e €25)

17022169_1931434537075551_6520839167810554638_n.jp

Este ano o Dia do Pai calha a um domingo (que bom!) e já se sabe, domingo para a Família Mistério é sinónimo de brunch. Confesse lá: há melhor programa do que celebrar em família uma data tão especial do que à volta de uma mesa recheada de tentações deliciosas, sem pressas? Bem me parecia. Por isso aqui ficam cinco sugestões de brunchs para o Dia do Pai: 2 no Porto e 3 em Lisboa.

 

novidade! novidade! vai abrir um novo restaurante com os melhores tártaros de lisboa

20170118_140312.jpg

Primeiro, vamos lá esclarecer essa dúvida que lhe atormenta a cabeça desde que leu este título sensacionalista aqui em cima: como é que este maduro sabe que estes são os melhores tártaros se o restaurante ainda não abriu? Boa pergunta. Ainda bem que se lembrou de a fazer porque eu estava mesmo a pensar nisso agora. Na verdade, os tártaros já existem, o espaço é que vai ser novo.

Estou a falar da Tartar-ia, esse paraíso da comida saudável, fresca, requintada, biológica e semi-Michelin de Lisboa. O restaurante, idealizado pelos responsáveis do Vila Joya (Dieter Koschina incluído), já existe no Mercado da Ribeira, em Lisboa, com uma ementa de magníficos tártaros que me deixa de boca escancarada cada vez que passo lá à porta. Agora os proprietários anunciaram, na sua página de Facebook, que vão abrir um novo espaço em Lisboa. Ainda não se sabe onde será, como será ou quando será. Sabe-se apenas que o local já está escolhido, que os preparativos estão a andar e que a ementa vai assentar em deliciosos e criativos tártaros preparados por alguns dos melhores chefs que o mundo já conheceu.

O conceito do espaço no Mercado da Ribeira é um verdadeiro santuário de quem gosta de comer bem e de forma leve. E enquanto o novo espaço não abre, o melhor é ficarmo-nos pelo que já existe para ir abrindo o apetite.

 

gioia food lab, o novo restaurante onde quase toda a comida é biológica, sem glúten ou sem trigo

Captura de ecrã 2017-03-07, às 18.13.44.png

Os ingredientes são preferencialmente biológicos, não há açúcares refinados nem farinhas de trigo, o glúten é evitado e até a água "é filtrada e depois energizada ao ponto de se tornar antioxidante, mais alcalina e muito mais amiga do seu corpo". Eu sei, parece a carta de apresentação da Clínica do Tempo, mas não se assuste. É o Gioia Food Lab, o novo restaurante de comida saudável (e, já agora, deliciosa, o que também ajuda) de Lisboa. 

Antes que me confunda com a Ágata Roquette, deixe-me esclarecer o seguinte: eu também fiquei assustado com a conversa da água energizada, antioxidante e alcalina. Mas não há razões para isso. Apesar deste susto inicial, o Gioia está longe de ser um restaurante fundamentalista: prefere ingredientes biológicos; se não houver, usa não-biológicos.